José Cândido de Araújo, lendário "Zé Arara".

Um pouco da história de “Zé Arara”, o mais lendário garimpeiro do Tapajós

Zé Arara morreu na segunda (11); conheça algumas das mais impressionantes histórias do garimpeiro que formou um império em Itaituba na década de 60.

José Cândido de Araújo, lendário "Zé Arara".

José Cândido de Araújo, o lendário “Zé Arara”, morreu na manhã da última segunda-feira (11) em Florianópolis. Ele era Maranhense natural de Santa Quitéria, mas criou sua grife em Itaituba-PA, tornando-se o maior comprador de ouro da história, com centenas de kg do metal precioso adquirido por dia.

Zé Arara é o mais lendário garimpeiro do Tapajós. Na década de 60, foi o garimpeiro mais famoso da Amazônia. Ele formou um império, no município de Itaituba, de aviões, mansões, fazendas, muito dinheiro, tudo tirado do ouro. Aí veio a crise e ele teve que recomeçar tudo.

“Antes da crise fui o único brasileiro que vendeu na faixa de 40 toneladas de ouro ao governo brasileiro”, conta ele em entrevista ao Globo Repórter.

Zé Arara perdeu muito, mas nunca foi um garimpeiro de alma livre, capaz de gastar em uma noite, com mulheres e bebida, tudo o que levou meses para ganhar. Ao contrário, ele construiu um patrimônio. “Além de ter um jato, tinha 15 aviões pequenos e quatro bandeirantes”, ressalta. Um problema com o jato em Itaituba fez com que Zé Arara trasladasse o avião de volta para a fábrica, em Nova York.

“O avião explodiu no ar. Morreram dois tripulantes, dois comandantes e dois mecânicos. Para eu desenrolar esse rolo e não ser preso nos Estados Unidos, tive que gastar 200 quilos de ouro”, conta o garimpeiro.

Zé Arara comandou, por muito tempo, o famoso garimpo Patrocínio, um dos maiores da região do Tapajós, além de implantar o hotel “Pousada das Araras”, na paradisíaca Parnaíba-PI.

“Na inauguração do hotel, ao fim dos anos de 1980, levou vários amigos de Itaituba, em seus aviões. Os que iam em outros, na rota, em escala, bastava dizer:  “Sou convidado do Zé Arara”. Pronto. Combustível liberado. Meus pais Truth e Dulcinéa estavam entre eles.” afirma Luis Henrique Santos de Macedo, amigo de longas datas de Zé Arara.

(Com informações de Luis Henrique Santos de Macedo e Globo Repórter)

Comentários

A seção de comentários deste site permite que as pessoas comentem o conteúdo usando as respectivas contas do Facebook. Para comentar, você precisa estar com uma seção ativa na rede social.