Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ), local da rebelião. Nilton Ricardo/Crítica.

Rebelião em presídio de Manaus-AM deixa 15 detentos mortos neste domingo

A unidade prisional em 2017 foi palco de uma das maiores chacinas em presídios brasileiros, após rebelião que durou 17 horas deixar 56 mortos.

Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ), local da rebelião. Nilton Ricardo/Crítica.

No final da manhã deste domingo (26), por volta de 01h, um confronto interno ocorrido no regime fechado entre detentos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ), situado em Manaus-AM, resultou na morte de 15 detentos.

De acordo com informações do Secretário de Segurança Pública do Estado, Louismar Bonates, a rebelião foi motivada por conflitos entre organizações criminosas, e teria iniciado durante visitas de familiares. E disse ainda que alguns assassinatos ocorreram na presença de parentes das vítimas.

Os familiares que estavam no interior da unidade prisional, foram retirados imediatamente do local. Alguns chegaram a correr para a quadra e outros corredores, em uma tentativa de evitar confronto com a polícia. Não há informações sobre fugas e não houve agentes penitenciários reféns.

Conforme informações repassadas pelo titular da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Amazonas, Márcio Vinicius de Almeida, os detentos morreram asfixiados ou golpeados com “estoques”, armas brancas artesanais improvisadas, no caso, com escova de dente.

A situação foi controlada por volta das 15 horas, mas a falta de informações sobre as vítimas deixou dezenas de familiares sob tensão na entrada do Complexo. Um grupo de mulheres chegou a bloquear o trânsito da BR-174, que fica em frente a unidade prisional, mas uma equipe do Batalhão de Choque da Polícia Militar desobstruiu a via sob protestos.

Familiares protestando em frente ao complexo, após a rebelião.

Confira os nomes dos detentos mortos na rebelião deste domingo

Natan Serrão Pereira
Francisco de Assis Marcelo da Silva
Leonardo Queiroz Campelo
Hiel Lucas Miranda Silva
Pedro Paulo Xavier
Rodrigo Oliveira Pimentel
Fernando dos Santos Ferreira
Erick Wesley Martins Mendes
Naelson Picanço de Oliveira
Igor Peres de Oliveira
Elison de Oliveira Pena
Edney Sandro Sabóia de Vasconcelos
Cleison Silva do Nascimento
Antônio Xavier da Silva Camargo Filho
Ancelmo Pereira dos Santos

A mesma unidade prisional foi palco de uma das maiores chacinas ocorridas em presídios brasileiros em janeiro de 2017, entre a Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC), duas facções rivais, que durou 17 horas e deixou 56 mortos.

Fonte: Folha de São Paulo e Site Terra

Comentários

A seção de comentários deste site permite que as pessoas comentem o conteúdo usando as respectivas contas do Facebook. Para comentar, você precisa estar com uma seção ativa na rede social.