Além de ilegal, existência dos procedimentos é usada para camuflar irregularidades. (Foto: Reprodução)

MPF pede cancelamento urgente de processos minerários em 48 terras indígenas no Pará

Foram citadas nas ações áreas indígenas de Itaituba, Jacareacanga, Trairão, Santarém e outras.

Além de ilegal, existência dos procedimentos é usada para camuflar irregularidades. (Foto: Reprodução)

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou oito ações nesta última semana de novembro com pedidos urgentes para que a Justiça Federal cancele processos minerários incidentes em 48 terras indígenas no Pará. Também foi pedido que a Agência Nacional de Mineração (ANM) indefira todos os processos atuais nessas áreas e os que surgirem antes do cumprimento das exigências legais para a autorização da atividade, que incluem a necessidade de consentimento das comunidades.

A Constituição e as leis estabelecem que qualquer medida administrativa que possa levar à autorização da atividade minerária nessas áreas só pode ser tomada depois que houver oitiva constitucional das comunidades sobre o decreto legislativo autorizador, autorização do Congresso Nacional, consulta prévia, livre e informada às comunidades relativa à autorização administrativa, e regulamentação legal.

De acordo com manifestação da ANM ao MPF, a agência considera que a falta de lei regulamentadora não impede que os processos minerários sejam sobrestados, ou seja, abertos e colocados em espera. Para os procuradores da República que assinam as ações, no entanto, o simples registro, cadastramento e sobrestamento desses processos – ainda que não deferidos ou mesmo apreciados – contraria a Constituição Federal e a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que é lei no Brasil e garante o direito à consulta prévia, livre e informada.

Segundo levantamento feito pela organização Instituto Socioambiental (ISA) por solicitação do MPF, o Pará tem um total de 2.266 processos minerários incidentes em terras indígenas, números maiores que, pelo menos, outros seis dos nove estados da Amazônia Legal (o levantamento não incluiu Amazonas e Amapá, ficando restrito aos dados do Acre, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins).

No total, nesses seis estados da Amazônia atualmente existem 3.347 processos, registrados em áreas de 131 terras indígenas inseridas nas diferentes fases do processo de regularização fundiária (identificadas e delimitadas, declaradas e homologadas).

Os processos minerários incidentes nas 48 terras indígenas no Pará citados nas ações ajuizadas esta semana pelo MPF são referentes a áreas localizadas nas circunscrições da Justiça Federal nos municípios de Altamira, Belém, Castanhal, Itaituba, Paragominas, Redenção e Santarém. Investigação semelhante relativa às terras indígenas localizadas na circunscrição da Justiça Federal em Marabá está em andamento.

Impactos políticos – Além de violar a legislação, a prática do sobrestamento produz impactos políticos concretos, alerta o MPF nas ações. Sobre isso, os procuradores da República no Pará signatários das ações citam decisão do juiz federal Lincoln Rossi da Silva Viguini, que em junho deste ano acatou pedido do MPF e determinou o indeferimento de todos os pedidos de mineração em terras indígenas no Amazonas.

“(…) a prática de suspensão dos processos não apenas viola o citado dispositivo como ainda cria sério problema sob o ponto de vista ético e constitucional do processo legislativo de regulação da mineração em terras indígenas. Os direitos de preferência indevidamente assegurados em relação a terras indígenas acabam por incitar grupos de interessados que podem exercer influência sobre a futura regulação. Estão sendo elencados, por ordem de preferência, detentores de direito cuja existência não é reconhecida, tudo com lastro exclusivo na indevida suspensão dos processos administrativos. O DNPM [Departamento Nacional de Produção Mineral, atual ANM], com sua conduta, tem fomentado expectativas de direito e provável lobby sobre a regulação por parte daqueles que, no momento, não contam com outra coisa que não seja um processo suspenso”.

Impactos socioambientais – O MPF também destaca a ocorrência de impactos socioambientais resultantes do sobrestamento de processos minerários em áreas indígenas, onde os requerimentos minerários são utilizados para conferir uma aparente legitimidade à exploração minerária ilegal – sobretudo à garimpagem. “Para além de estimular o lobby, o sobrestamento gera insegurança jurídica aos indígenas e transforma as terras indígenas em reservas minerárias”, criticam os procuradores da República.

Como exemplo desses impactos, o MPF cita garimpo ilegal flagrado em zona intangível de proteção integral da Terra Indígena Zo’é, na região do baixo Amazonas, noroeste do Pará. A investigação demonstrou que a área explorada coincidia com os polígonos de quatro processos minerários pendentes de apreciação pela ANM, requeridos justamente pelos autointitulados donos do garimpo. Em ação judicial, o MPF informou que os impactos causados são de mais de R$ 350 mil.

“É certo que os processos minerários não produzem, por si sós, os danos socioambientais, mas integram um feixe de ‘documentos’ que conferem aparência de legalidade à atividade. Esses documentos são utilizados in loco para garantir a detenção sobre a área do garimpo, recrutar trabalhadores, contratar serviços e até mesmo ludibriar os indígenas”, relata o MPF nas ações.

Violação de direitos – A Convenção nº 169 da OIT determina que os governos devem consultar os povos interessados sempre que sejam previstas medidas administrativas que possam afetá-los, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos acrescenta que a consulta deve ocorrer desde a fase de planejamento do projeto, plano ou medida, com suficiente antecedência ao começo das atividades de execução, e a Corte Interamericana, por sua vez, esclarece que a consulta deve ocorrer desde as primeiras etapas de planejamento da proposta, e não unicamente quando surja a necessidade de aprovação da comunidade, de modo a permitir que os grupos participem e influenciem a tomada de decisão.

Por isso, para o MPF o ato administrativo de sobrestamento dos processos minerários em terras indígenas, ao gerar direito de preferência, afeta diretamente os povos indígenas que nelas habitam e, portanto, não poderia ser editado sem consulta prévia, livre e informada. Apesar de o requerimento e o sobrestamento dos processos minerários não serem, por si sós, exploração minerária, são os primeiros de uma série de atos que, ao final, poderão resultar na autorização de lavra minerária ou garimpeira, observam os procuradores da República nas ações.

“Além da pressão (lobby) pela relativização da proteção legal conferida às terras indígenas e de os requerimentos serem utilizados para conferir aparente legitimidade à atividade ilegal, o direito de preferência retira a possibilidade de os próprios ‘superficiários’ (indígenas) terem prioridade na exploração; de participarem, por exemplo, da escolha dos permissionários/autorizados/concessionários dos processos minerários de acordo com histórico de boas práticas junto a comunidades locais; e convalidam a enorme concentração de processos minerários nas mãos pouquíssimos titulares”.

Em relação a esse tema, o estudo do ISA apontou que os 2.266 processos minerários sobrepostos a terras indígenas no Pará estão na mão de apenas 495 titulares. “A concentração de processos minerários nas mãos de poucos titulares representa monopólio, reforça a existência do lobby exercido por grupos econômicos capitalizados com grande poder de pressão política, e estimula a especulação e comercialização de títulos minerários (muitos dos requerimentos são feitos por pessoas físicas, sem qualquer demonstração de capacidade técnica para realizar a lavra minerária)”.

Terras Indígenas citadas nas ações Municípios onde estão localizadas
Alto Rio Guamá Garrafão do Norte (PA), Nova Esperança do Piriá (PA), Paragominas (PA), Viseu (PA) e  Santa Luzia do Pará (PA)
Alto Turiaçú Araguanã (MA), Centro do Guilherme (MA), Centro Novo do Maranhão (MA), Maranhãozinho (MA), Nova Olinda do Maranhão (MA), Paragominas (PA), Santa Luzia do Paruá (MA), e Zé Doca (MA)
Anambé Moju (PA)
Andirá-Marau Aveiro (PA), Barreirinha (AM), Itaituba (PA), Juruti (PA), Maués (AM), e Parintins (AM)
Apyterewa São Félix do Xingu (PA)
Arara Altamira (PA), Brasil Novo (PA), Medicilândia (PA) e Uruará (PA)
Arara da Volta Grande do Xingu Senador José Porfírio (PA)
Araweté/Igarapé Ipixuna Altamira (PA), São Félix do Xingu (PA) e Senador José Porfírio (PA)
Badjônkôre Cumaru do Norte (PA) e São Félix do Xingu (PA)
Barreirinha Paragominas (PA)
Baú Altamira (PA)
Bragança-Marituba Belterra (PA)
Cachoeira Seca do Iriri Altamira (PA), Placas (PA), e Uruará (PA)
Cobra Grande Santarém (PA)
Juruna do Km 17 Altamira (PA)
Karajá Santana do Araguaia Santa Maria das Barreiras (PA)
Kararaô Altamira (PA)
Katxuyana-Tunayana Oriximiná (PA)
Kayabi Apiacás (MT) e Jacareacanga (PA)
Kayapó Cumaru do Norte (PA), Ourilândia do Norte (PA), São Félix do Xingu (PA) e Tucumã (PA)
Koatinemo Altamira (PA) e Senador José Porfírio (PA)
Kuruáya Altamira (PA)
Las Casas Floresta do Araguaia (PA) e Pau D’arco (PA)
Maracaxi Aurora do Pará (PA)
Maranduba Araguacema (TO) e Santa Maria das Barreiras (PA)
Maró Santarém (PA)
Menkragnoti Altamira (PA), Matupá (MT), Peixoto de Azevedo (MT), e São Félix do Xingu (PA)
Mundurucu Itaituba (PA) e Jacareacanga (PA)
Munduruku-Takuara Belterra (PA)
Nhamundá-Mapuera Faro (PA), Nhamundá (AM), Oriximiná (PA) e Urucará (AM)
Panará Altamira (PA), Matupá (MT) e Peixoto de Azevedo (MT)
Paquiçamba Vitória do Xingu (PA)
Paquiçamba (reestudo) Anapu (PA), Senador José Porfírio (PA) e Vitória do Xingu (PA)
Parakanã Itupriranga (PA), Jacundá (PA), e Tucuruí (PA)
Parque Indígena do Tumucumaque Alenquer (PA), Almeirim (PA), Laranjal do Jari (AP), Óbidos (PA), e Oriximiná (PA)
Rio Paru D’Este Alenquer (PA), Almeirim (PA), e Monte Alegre (PA)
Sai Cinza Jacareacanga (PA)
Saruá Ipixuna do Pará (PA)
Sawré Muybu Itaituba (PA) e Trairão (PA)
Tembé Tomé-Açu (PA)
Trincheira/Bacajá Altamira (PA), Anapu (PA), São Félix do Xingu (PA) e Senador José Porfírio (PA)
Trocará Tucuruí (PA)
Trombetas-Mapuera Caroebe (RR), Faro (PA), Nhamundá (AM), Oriximiná (PA), São João da Baliza (RR) e Urucará (AM)
Turé-Mariquita I Tomé-Açu (PA)
Turé-Mariquita II Tomé-Açu (PA)
Xikrin do Cateté Água Azul do Norte (PA), Marabá (PA) e Paraupebas (PA)
Xipaya Altamira (PA)
Zo’é Óbidos (PA)

Fonte: Portal Santarém com informações do MPF

Comentários

A seção de comentários deste site permite que as pessoas comentem o conteúdo usando as respectivas contas do Facebook. Para comentar, você precisa estar com uma seção ativa na rede social.