Winglya Lopes, vítima, e Arlyson Souza, suspeito.

Com principal suspeito ainda foragido, caso Winglya segue impune

Quatro meses se passaram desde o desaparecimento da jovem e, após confirmação de sua morte, Arlyson Souza, ex marido, continua foragido.

Winglya Lopes, vítima, e Arlyson Souza, suspeito.

O caso Winglya segue impune! Neste dia 13 de setembro fará três meses que suas ossadas foram encontradas, e dois meses que o resultado do DNA comprovou que elas eram realmente da jovem. No total, já passaram-se quatro meses desde o seu desaparecimento.

O principal suspeito de ter cometido o crime, segundo a polícia, é o ex-marido da vítima, Arlyson Souza, que viajou dias após o desaparecimento e foi considerado foragido após mandado de prisão temporária ser expedido pela justiça. De lá para cá, foram muitas as suposições à cerca de seu paradeiro, mas o mesmo nunca foi localizado.

Segundo informações, apesar de foragido, Arlyson ainda continuaria mantendo contato com pessoas de Itaituba, através de redes sociais. É fato que, até pouco tempo antes de encontradas as ossadas da jovem, o mesmo conversava livremente até mesmo em grupos de whatsapp, como afirmam pessoas próximas à ele.

Ainda extremamente abalada, a mãe de Winglya voltou a desabafar em seu facebook sobre o caso, no dia em que completou exatos quatro meses de seu desaparecimento, que aconteceu em 07 de Maio. “Já fazem quatro meses que minha filha foi assassinada pelo pai de seu filho, faziam sete anos que viviam juntos e até agora não foi feito nada para descobrir onde esse assassino Arlyson Ferreira de Souza está, mas o que mais me revolta é que o assassino Arlyson fica online e conversar com quem ele quer e a justiça não descobre onde o mesmo está”. disse Eunice Lopes

Mesmo aflita com a falta de respostas, a mãe acrescenta, ainda em postagem, que acredita na justiça divina. “sei que um dia Deus irá fazer justiça, pois sua justiça é perfeita”.

Segundo Gessisa Araruna, titular da delegacia da mulher (DEAM), o inquérito segue em aberto e as investigações continuam em sigilo.

Fonte: Portal Giro

Comentários

A seção de comentários deste site permite que as pessoas comentem o conteúdo usando as respectivas contas do Facebook. Para comentar, você precisa estar com uma seção ativa na rede social.