Winglya está desaparecida desde o dia 8 de Maio.

Caso Winglya é rodeado de mistério e Fake News; delegada esclarece boatos

Em entrevista ao Giro, a delegada responsável contou detalhes sobre as investigações e também falou das denúncias falsas que atrapalham a polícia.

Winglya está desaparecida desde o dia 8 de Maio.

O desaparecimento de Winglya Aboim Lopes, 25 anos, ainda é um mistério a ser solucionado. A Delegada Titular  da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) em Itaituba, Géssica Araruna, em entrevista ao Giro, esclareceu alguns pontos sobre a investigação, principalmente as Fake News, como aquela que circulou pelas redes sociais, em que dizia que Arlyson, ex-marido de Winglya, teria se entregado à Polícia e confessado que teria a matado, o que não passou de boatos e interferência no andamento das investigações.

Géssica Araruna, delegada da mulher.

Um dos pontos centrais da entrevista, foi entorno de informações falsas que são disseminadas pelas redes sociais e chegam a conhecimento da delegada. Em duas ocasiões, duas denúncias anônimas foram feitas à delegacia, em uma delas, a equipe de investigação foi até a localidade informada pelo denunciante, cerca de 60 km da sede do município, mas nada foi encontrado.

Local visitado por policiais em possível denúncia falsa.

“Chegam muitas denúncias falsas, o que não contribui com as investigações. Trotes são feitos, e acabam fazendo com que haja desvios no foco da investigação, o que atrapalha bastante. Pelo menos duas notícias falsas chegam a cada semana”. disse a delegada.

Linhas de investigação quanto ao caso

Conforme relata a delegada Géssica, inicialmente o fato foi noticiado como desaparecimento, o que logo se tornou a primeira linha de investigação, contudo, Homicídio e Cárcere Privado são as outras duas linhas de investigação que fazem parte do combo de hipóteses que objetivam esclarecer o caso.

“A gente tem três linhas de investigação. A primeira é o desaparecimento, que ela tenha ido embora de forma espontânea, por razões que a gente ainda desconhece. A segunda, seria um possível homicídio e ocultação de cadáver, tendo em vista a inexistência de informações sobre o paradeiro dela. E o terceiro, que ela pode estar em Cárcere Privado impossibilitada de manter contato, não descartamos essa hipótese também” falou.

Inexistência de depoimento do ex marido

Winglya e o ex marido, Arlyson.

Outro ponto bastante questionado por quem acompanha o caso, é o não comparecimento de Arlyson, ex-marido de Winglya, na delegacia para prestar esclarecimentos sobre o desaparecimento.

“A gente precisa da presença do Arlyson para que ele esclareça o que realmente aconteceu, porque ele foi a última pessoa com quem a Winglya esteve e com certeza o depoimento dele vai esclarecer bastante a situação. Ele já foi intimado através de advogado, mas não compareceu” afirmou a delegada.

Em um áudio veiculado em uma reportagem sobre o caso, Arlyson se defende das acusações levantadas contra ele “Todo mundo sabe da minha vida aí, eu jamais faria uma coisa dessa com a mãe do meu filho, entendeu? Sempre tivemos uma boa relação, éramos amigos. Eu não tenho mais paz” afirmou.

Andamento das investigações

Delegacia da mulher (DEAM), em Itaituba.

Ainda mediante informações da delegada, foram feitas perícia em dois veículos e na residência em que Winglya esteve no dia do desaparecimento, no dia 9 de maio. O laudo ainda não foi finalizado, uma vez que demanda um pouco mais de tempo por ter neste processo a coleta de DNA.

Após a mãe de Winglya ter protocolado o Boletim de Ocorrência, no dia 14 de maio, 15 testemunhas já foram ouvidas e medidas cautelares já foram requeridas ao Juiz. As investigações continuam em segredo de justiça para tentar esclarecer os motivos do desaparecimento.

A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher em Itaituba está disponível a qualquer um que queira repassar alguma informações que ajude nas investigações. Os telefones para contato são 3518-7091 ou (93) 99112-2306 (whatsapp).

Fonte: Portal Giro

Comentários

A seção de comentários deste site permite que as pessoas comentem o conteúdo usando as respectivas contas do Facebook. Para comentar, você precisa estar com uma seção ativa na rede social.